Rússia bombardeia Ucrânia horas depois de Xi Jinping deixar Moscou em visita a Putin

A Rússia desencadeou uma onda de ataques mortais em vilas e cidades em toda a Ucrânia na quarta-feira (22), quando o líder chinês, Xi Jinping, partiu de Moscou após conversas com o presidente Vladimir Putin.

Xi deixou a capital da Rússia prometendo aprofundar os laços com Putin, mas as reuniões não conseguiram um avanço na Ucrânia.

Enquanto Xi voltava para Pequim, os militares da Rússia lançaram uma enxurrada de ataques com drones Shahed fabricados no Irã na região ucraniana de Kiev, matando pelo menos nove pessoas, segundo autoridades locais.

Andrii Niebytov, chefe de polícia da região de Kiev, disse que sete outras pessoas ficaram feridas quando um drone atingiu um dormitório na cidade de Rzhyshchiv.

Na cidade de Zaporizhzhia, no sudeste, pelo menos uma pessoa foi morta e 34 ficaram feridas – incluindo duas crianças – depois que mísseis russos atingiram prédios de apartamentos, no que foi descrito como um “ataque deliberado” para “matar civis”, de acordo com o conselheiro presidencial Mykhailo Podolyak.

O vídeo do ataque mostra uma explosão na lateral de dois prédios residenciais de nove andares.

A promotoria ucraniana disse em um comunicado que pelo menos seis mísseis atingiram a cidade, causando grandes danos.

“Um dos mísseis atingiu entre dois arranha-céus, destruindo parcialmente apartamentos e varandas, danificando telhados e quebrando janelas”, disse o comunicado.

“A onda de choque e os destroços também danificaram outros prédios residenciais próximos, carros e outras infraestruturas civis na cidade.”

“Não temos medo”

O estudante Kyrylo Chorniy, 20, estava dentro do bloco de apartamentos a poucos metros de onde ocorreu a explosão.

Usando uma lanterna para apontar seu apartamento, ele disse à CNN fora do complexo que “ouviu uma explosão e viu um incêndio”.

Lá dentro, todas as janelas estão quebradas. Chorniy disse que seu pai estava perto de uma janela quando a explosão aconteceu e por pouco evitou ser morto.

Ainda assim, Chorniy e seus pais dizem que não serão forçados a sair de casa.

“Estamos principalmente com raiva. Não temos medo. Por que estaríamos? É a nossa casa”, disse.

“Vou dormir na minha cama. Meus pais vão dormir em suas camas. Vai fazer um pouco de frio porque não temos janelas, mas não vamos a lugar nenhum.”

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, chamou o ataque de “selvageria bestial” no aplicativo de mídia social Telegram e mais tarde disse que a onda de ataques russos na quarta-feira teria uma resposta da Ucrânia.

“Todos os ataques russos receberão uma resposta militar, política e legal”, disse ele. “A Rússia perderá esta guerra.”

O governo dos EUA parou de acusar a Rússia de atingir civis com ataques de mísseis em Zaporizhzhia, mas disse que “certamente” é consistente com ataques anteriores.

“Obviamente, está fora do manual russo visar a infraestrutura civil e não mostrar nenhuma preocupação em evitar o alvo de civis”, disse John Kirby, coordenador do Conselho de Segurança Nacional para comunicações estratégicas.

Zelensky visita linhas de frente

A Força Aérea da Ucrânia disse que os ataques de quarta-feira envolveram uma saraivada de 21 drones que foram lançados contra a Ucrânia, dos quais abateram 16.

Os ataques ocorreram quando Zelensky fez uma visita não anunciada às tropas ucranianas nas linhas de frente na região leste de Donbass, onde alguns dos combates mais violentos estão sendo travados com as forças russas.

Um vídeo do Gabinete Presidencial Ucraniano mostra Zelensky concedendo medalhas a soldados em Kharkiv e visitando militares feridos em um hospital perto das linhas de frente na região de Donetsk.

Alguns dos feridos ajudaram a defender a cidade de Bakhmut em uma batalha de meses para deter as tropas russas da cidade estratégica.

Segundo os militares ucranianos, as forças de Moscou estão gastando um grande número de homens tentando retomar Bakhmut e a capacidade ofensiva das tropas russas dentro e ao redor da cidade está diminuindo.

“É angustiante olhar para as cidades de Donbass, às quais a Rússia trouxe sofrimento e ruína terríveis”, disse Zelensky em seu discurso noturno na quarta-feira.

“Bem ali, em Donbass, na região de Kharkiv – onde quer que o mal russo tenha chegado, é óbvio que o estado terrorista não pode ser detido por nada além de uma coisa – nossa vitória.”

Viagem de Xi não cria caminho para a paz

A onda de ataques de quarta-feira na Ucrânia ocorreu quando Putin terminou de receber seu colega chinês em Moscou, após uma visita de Estado de três dias anunciada por Pequim como uma missão de paz, mas que não conseguiu nenhum avanço na resolução do conflito.

Ambos os líderes pediram a cessação das ações que “aumentam as tensões” e “prolongam” a guerra, segundo comunicado conjunto divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores da China.

A declaração não reconheceu que a invasão e o ataque militar da Rússia foram a causa da violência contínua e da crise humanitária na Ucrânia.

Nas últimas semanas, a China parecia se posicionar como um mediador da paz na Ucrânia, divulgando sua posição sobre uma “solução política” para o conflito, pedindo um cessar-fogo e negociações de paz.

Mas a proposta foi vista como inviável no Ocidente e em Kiev, porque não inclui nenhuma cláusula de que Moscou retire suas tropas de terras ucranianas.

Na terça-feira, Zelensky disse que um cessar-fogo “simplesmente congelaria” o conflito, dando à Rússia tempo para “se preparar e voltar com seu único desejo, o desejo de seu líder – que é ocupar nosso país”.